Com todos os avanços que vemos diariamente, será que a tecnologia representa uma ameaça para o direito?

Olá, Doutor, eu sou Watson! Vim acabar com seu trabalho, muito prazer!”

Watson não disse isso, mas foi assim que muitos advogados – e até os juízes, nos Estados Unidos, receberam a notícia do lançamento de um programa para resolução de conflitos, da IBM.

Mas, calma, antes que você saia correndo, largando seus clientes e instalando um aplicativo de motorista no seu celular, entenda como ele pode ajudar você a melhorar sua performance, e o que a OAB está fazendo a respeito.

Comissão de tecnologia jurídica na OAB

A notícia é quente:

Segundo o site Conjur, o Conselho Federal da OAB criou uma comissão de tecnologia jurídica que será presidida pelo advogado Rodrigo Ayres Martins de Oliveira.

Essa missiva vem em boa hora, pois a falta de preparo dos advogados do mercado Americano para receber essa novidade causou transtornos, que uma política clara de informação, poderia ter evitado.

Para que você saiba como a tecnologia vem mudando a realidade dos escritórios de advocacia no primeiro mundo, vamos lembrar como isso aconteceu.

Watson e a história da automação das áreas não fabris

Quando a automação industrial se iniciou, substituindo pessoas por máquinas em tarefas repetitivas, quem não perdeu seu emprego por isso, comemorou – era um avanço significativo para a elevação da condição da raça humana.

O que todos nós não imaginávamos é que com os avanços da tecnologia ela não substituiria apenas o trabalho braçal do homem mas também profissionais altamente qualificados, substituindo a sua capacidade intelectual.

E a IBM foi a precursora na pesquisa e desenvolvimento de uma poderosa combinação de recursos para substituir várias horas de trabalho humano, na área da Saúde, Educação, Agricultura, Economia, Direito, etc.

Mas quem é Watson, afinal?

Segundo a própria definição da IBM, Watson é um pacote de serviços, aplicativos e ferramentas de INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL para empresas, com utilização imediata.

Segundo ainda o site da empresa, ele pode:

  • analisar dados não estruturados (que não estão estruturados para a leitura de um robô) utilizando os recursos de cognição (humana) apreendida e sistematizada por meio de programação para criar relação entre o significado e o contexto;
  • entender e avaliar múltiplos significados em questões complexas para definir qual é a melhor resposta para a questão colocada (entendendo literalmente a pergunta);
  • procurar e analisar entre as possíveis respostas aquela mais confiável e evidente, pela informação encontrada.

LegalMation a “ameaça” que veio de dentro

A ideia de se desenvolver o “advogado virtual” partiu exatamente de um escritório de Advocacia, a empresa LegalMation.

Após anos de prosperidade, em 2008 o mercado Americano mergulhou numa crise que arrastou o resto do planeta.

Nesse momento, os clientes de advocacia dos EUA se tornaram mais críticos e a concorrência entre os escritórios começou a ficar acirrada, criando disputas muito desiguais entre grandes escritórios e os pequenos, e sacrificando o valor das causas e as margens de lucro.

Então, em 2016, dois advogados e fundadores de uma pequena e bem sucedida empresa de advocacia entenderam que para se destacar na multidão, teriam que ser mais eficientes, buscando soluções inovadoras.

Surgiu então a ideia de automatizarem os serviços mais elementares para que os profissionais pudessem se dedicar em etapas mais determinantes, valorizando a mão de obra humana.

Eles precisavam se unir a um grande player de tecnologia. E a sinergia com a IBM aconteceu.

Aumento da Carteira de Clientes

A junção dos serviços da Watson (que se conhecia desde 2011, quando se apresentou em um programa de perguntas e respostas chamado Jeopardy!) com o próprio software da empresa, proporcionou a possibilidade de transformar serviços advocatícios de baixa complexidade, mas de alto investimento em tempo:

  • de horas de trabalho para dois minutos
  • redução de 80% dos custos
  • respostas mais rápidas e precisas

Bingo! Era o que eles precisavam para aumentar a competitividade e a carteira de clientes.

Hora de investir na Inteligência Comportamental

Provavelmente, os profissionais que estão abandonando a vocação e se dedicando a tarefas totalmente estranhas à sua formação, como motorista de aplicativos, por exemplo, são aqueles que não perceberam as oportunidades que esse avanço possibilita.

Com ferramentas que proporcionam uma redução de tempo de até 80%, é necessário pensar que seria um erro se acomodar, investindo apenas nos recursos tecnológicos, ou adotando o caminho oposto, fugir da tecnologia.

A inovação, quando bem empregada, pode representar oportunidades de alavancagem nos negócios.

Mas, se as máquinas estão mais inteligentes, por outro lado, estamos testemunhando um crescimento no Alfabetismo Comportamental humano.

De fato, há causas sendo defendidas por robôs e litígios sendo julgados por eles.

Entretanto, é nesse momento em que as capacidades humanas, daqueles que se diferenciam, se sobressaem.

Se olharmos bem, a tecnologia não está fechando uma porta para o Operador do Direito, com dispositivos como a Watson.

É justamente o contrário: está facilitando para que o ser humano se liberte daquilo que uma máquina pode fazer, para justamente se engajar naquilo que só o ser humano pode fazer.

Modern boy touching future technology social network button

Mediação: um novo caminho para o Operador do Direito

Os robôs e as ferramentas tecnológicas jamais serão capazes de substituir o abraço, o olho no olho, uma palavra de conforto dita com benevolência ou compaixão.

Sinceramente, pela minha experiência como Mediador, e por mais que eu admire a tecnologia, não acredito que ela possa ser executada com humanidade (característica intrínseca da nossa atividade).

Se você está se sentindo ameaçada/o pela Watson, não deveria!

Ela está justamente apontando para o seu futuro, e te dando a liberdade para ser aquilo que nós esquecemos diariamente, um ser humano.

Conheça a Mediação e descubra um novo caminho para a sua Vocação.

Gostou? Comente abaixo e compartilha!

mediadora com braços cruzados