As Resoluções Adequadas de Conflitos são uma tendência em todo o mundo.

Todos os países que compõem a União Europeia fazem uso desse recurso, há quase duas décadas.

Estados Unidos, Brasil, Argentina e Chile são alguns dos países da América em que essa prática tem crescido exponencialmente.

Essa atividade, com um crescimento estimado de 10% ao ano, está presente nos:

  • Tribunais de todos os estados,
  • inúmeros Cartórios
  • em grandes Empresas
  • + de 500 Câmaras de Câmaras de Conciliação, Mediação e Arbitragem e como uma média anual de + de 180 câmaras abertas ao ano segundo o portal ADAM BRASIL.

O interesse na carreira da Gestão de Conflitos vem ganhando a cada dia mais notoriedade.

Vamos esclarecer agora algumas das dúvidas mais frequentes sobre essa carreira.

Qual a diferença entre [email protected] judiciais e extrajudiciais?

Vejamos o que diz a Lei 13.140/15 nos artigos correspondentes:

Art. 9 – Dos Mediadores Extrajudiciais

Poderá funcionar como mediador extrajudicial qualquer pessoa capaz que tenha a confiança das partes e seja capacitada para fazer mediação, independentemente de integrar qualquer tipo de conselho, entidade de classe ou associação, ou nele inscrever-se.”

Art. 11 – Dos Mediadores Judiciais

“ Poderá atuar como mediador judicial a pessoa capaz, graduada há pelo menos dois anos em curso de ensino superior de instituição reconhecida pelo Ministério da Educação e que tenha obtido capacitação em escola ou instituição de formação de mediadores, reconhecida pela Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados – ENFAM ou pelos tribunais, observados os requisitos mínimos estabelecidos pelo Conselho Nacional de Justiça em conjunto com o Ministério da Justiça.”

Ambos atuarão no mesmo tipo de demanda, o que os diferencia é o local de atuação e os requisitos para formação.

Qual a diferença entre [email protected] e [email protected]?

Se a dúvida for em relação à atuação, nós escrevemos um artigo detalhando essa resposta que pode ser acessado no link:  A diferença entre a Conciliação e a Mediação.

Já em relação aos requisitos para a atuação, os/as [email protected] Judiciaissão aqueles que estão cursando à partir do 5º semestre de qualquer curso de graduação, ou que já estejam formados.

Os/as [email protected] Judiciais são aqueles que já concluíram o curso de graduação há pelo menos 2 anos contados do dia de emissão do Diploma.

Lembrando que ambos os casos fazem referência à atuação Judicial, no caso da Extrajudicial não existe diferença de requisitos para os dois institutos.

Precisa ser Bacharel em Direito?

Como vimos no Artigo 11 da lei 13.140/2015, a Lei de Mediação não traz qualquer exigência de formação específica para a atuação, ou seja, qualquer curso de graduação de nível superior, reconhecido pelo MEC pode servir para atender aos requisitos de formação.

Como é realizada a avaliação do/a [email protected]?

Segundo o Manual de Mediação Judicial do CNJ, a avaliação dos cursos de Mediação baseiam-se especialmente na análise de competências, ou seja, mais importante do que o conteúdo absorvido e do tempo dedicado pelo aluno é o seu desenvolvimento em nível satisfatório nas 7 competências essenciais para a autocomposição, portanto o supervisor do estágio apenas aprovará aquele estagiário que alcançar esse nível dentro de cada uma delas:

  • Competência Cognitiva em Relação ao Conflito;
  • Competência Emocional;
  • Competências Perceptiva;
  • Competência De Negociação;
  • Competência de Comunicação;
  • Competência em Pensamento Crítico;
  • Competência de Pensamento Criativo.

Qual é a programação do curso?

O Curso de Mediação é divido em 2 etapas:

A primeira etapa consiste em uma fase teórica (com simulações), com duração de 50h/a (no Centro de Mediadores isso representa 3 finais de semana), aonde você participará de:

  • Aulas expositivas;
  • Diálogo interativo;
  • Dinâmicas de grupo;
  • Entrevistas em dupla;
  • Debates em grupo;
  • Técnicas de simulação de casos;
  • Feedback de avaliadores;
  • Exercícios para fixação.

Na segunda etapa, ou seja na parte prática, a duração é de 80h/a (cerca de três meses) com:

  • Estágio supervisionado;
  • Casos reais;
  • Feedbacks em grupo;
  • Relatórios práticos;
  • Formulários de avaliação.

Acesse nosso site para consultar a grade curricular.

Será que eu tenho vocação pra Mediação?

Muitas pessoas estão encontrando um novo caminho para manifestar a sua vocação, priorizando a realização pessoal aliada a uma perspectiva de boa remuneração.

Ou então,  como uma nova alternativa para cumprir seu juramento, advogados e outros profissionais de variados segmentos, como administradores, psicólogos, pedagogos, assistentes sociais, etc.- homens e mulheres – estão buscando uma carreira na Resolução de Conflitos como um novo estilo de vida!

O que achou desse texto? Sentiu falta de alguma informação relevante? Deixe sua opinião nos comentários abaixo

Quer transformar a sua vida AGORA? Agarre essa chance!

mediadora com braços cruzados