Você sabia que 75% de quem busca a carreira de Mediação são mulheres?

Elas já representam praticamente 50% do contingente de quase todas as profissões. Disputando, num ambiente ainda culturalmente e predominantemente masculino, um espaço.

Porém na mediação, uma profissão ainda pouco desenvolvida no Brasil, encontraram um caminho natural para manifestar sua vocação.

Afinal, por que elas estão dominando essa seara?

Mediação: um caminho natural para as mulheres

O avanço das relações sociais e a emancipação da mulher trouxeram mais liberdade, mas não diminuíram a carga de trabalho nem de responsabilidades – longe disso.

Mas, ao contrário dos outros ambientes em que a cultura masculina impõe o ritmo e a forma de condução do trabalho,  a jornada de amadurecimento emocional e empoderamento social  parece ser um caminho natural que leva essa mulher, líder do século XXI, ao trabalho de mediadora.

Conciliar: verbo feminino, transitivo e direto

Numa rápida pesquisa na Web vemos que o termo MULHER está associado à palavra CONCILIAÇÃO em mais de 7 milhões de resultados. 

Já o termo HOMEM, que aparece em pouco mais de 6 milhões de respostas, na maioria das vezes, está relacionado com assuntos jurídicos ou com o sentido de espécie animal em lugar de gênero…

Assim também é na vida real e na sociedade: alguém já ouviu falar que homem tem que conciliar o trabalho com a criação dos filhos? Com a limpeza da casa? Com a função de marido?

Desde que a menina nasce, ela já é preparada para administrar expectativas alheias e tornar ambientes mais acolhedores, mitigando conflitos.

Para conciliar as obrigações de profissional, mãe, esposa, filha e todos os outros papéis que ela própria assume ou a sociedade lhe impõe, é necessário uma boa dose de equilíbrio e um grande poder de negociação.

12 Atitudes femininas que valem ouro na Mediação

As mulheres são naturalmente resilientes e diplomáticas. Suas atitudes, em ambientes de pressão e stress, costumam ser determinantes para a manutenção da paz, mesmo quando o clima é de guerra. E isso é muito valorizado.

Esses atributos não são herdados de algum Deus grego, como era a força de Hércules, filho de Zeus com uma mortal, (conhecido pelo seus DOZE TRABALHOS).

Ao contrário, a mulher forja suas competências através de um exercício diário capaz de fazer a Hidra de Lerna (a enorme serpente com nove cabeças, um dos desafios do Herói) tão inofensiva quanto uma minhoca.

Ser mulher é um exercício constante de:

  1. Colocar-se no lugar do outro,
  2. Fazer concessões inteligentes,
  3. Estabelecer limites,
  4. Negociar,
  5. Procurar soluções criativas,
  6. Ler a comunicação não verbal,
  7. Interpretar os sinais da intuição,
  8. Entender qual é o “jogo” e virar a mesa,
  9. Ouvir, ouvir e ouvir incessantemente,
  10. Usar o poder das palavras para abrandar ímpetos alheios,
  11. Conduzir crianças e adultos enfurecidos ao raciocínio lógico,
  12. Invocar a inteligência emocional em si própria e no outro, para o crescimento de ambos e a solução efetiva dos problemas.

Por todas essas razões a mulher vem se identificando com essa atividade e ocupando, cada vez mas, o espaço da figura apaziguadora nas mesas de negociações.

Triunfar no Século XXI

Centro de Mediadores tem orgulho em dizer que a grande maioria do seu corpo docente para o Curso de Mediação é composto por mulheres.

E também percebemos que 75% das vagas de alunos são ocupadas por elas.

A atividade de Mediação acompanha a evolução da sociedade e confere à mulher a oportunidade de triunfar como líder do Século XXI.

 Quer fazer parte dessa conquista?

 SIM! QUERO SER MEDIADORA

mediadora com braços cruzados