Série: Retrospectiva 2018 – Parte 1: Mediação nos cartórios: um novo horizonte

Com a publicação do Provimento 67, em março de 2018 pelo CNJ, um novo horizonte se abriu. Foi algo que não era esperado mas que surgiu como uma excelente solução. Afinal, em um cartório comumente se vislumbram os passos iniciais do que pode vir a se tornar uma disputa judicial. Esse ato representa um passo importantíssimo para todos os envolvidos. Para as partes, para o judiciário, para o cartório e para os mediadores, inclusive!

Mas afinal, como os profissionais podem aproveitar este momento? Existem realmente vagas para conciliadores e mediadores nos cartórios?

Em dezembro/2018, ocorreu o  1º Fórum de Debate para Conciliadores e Mediadores celebrado em Brasília, no Centro de Mediadores. Na ocasião, com a presença de representantes dos Cartórios, foram debatidos vários tópicos acerca de como se daria todo o processo de mediação cartorária. Destacamos aqui as duas conclusões mais relevantes para este artigo.

  1. Mediadores já qualificados e experientes são a chave para essa consolidação:

É preferível para os administradores dos cartórios receber pessoal qualificado externo, pois os cartórios já possuem equipes estruturadas e com atribuições próprias. Isso quer dizer que seria necessária uma reestruturação de cargos e funções para se adaptar a essa demanda. Além disso, o processo de capacitação para se qualificar um novo mediador pode acabar sendo dispendioso e oneroso para o cartório. Chegou-se a conclusão portanto, da importância desses profissionais como a chave para a consolidação e a abertura de um novo caminho;

2. Promova-se e prontifique-se!

Para que essa realidade possa se consolidar são necessárias atitudes conjuntas: isso quer dizer que, assim como os cartórios deverão se reorganizar e oferecer condições para que as sessões possam ocorrer, os profissionais de conciliação e mediação também deverão se prontificar e buscar os cartórios para conhecerem melhor o planejamento de cada um, e se colocar à disposição para uma eventual contratação. Uma vez que não exista ainda processo formal de seleção para estes profissionais.

Aproveite essa oportunidade e busque se informar nos cartórios sobre vagas para conciliadores e mediadores!

Outros tópicos da Retrospectiva 2018:

Série Retrospectiva 2018 – Parte 2: Conciliação, mediação e arbitragem na grade curricular dos cursos de direito – quais as consequência disso?

O quanto será que isso é relevante para o nosso setor? Entenda agora nesse artigo.

Série: Retrospectiva 2018 – Parte 3: Remuneração de mediadores nos tribunais: ainda um sonho?

E essa lei sobre a remuneração? Será que podemos já ter uma perspectiva clara sobre essa realidade em nossos tribunais?

Série Retrospectiva 2018 -Parte 4: Mediação Online: futuro ou presente?

Como essa nova modalidade de Mediação pode impactar diretamente o trabalho de todos os Gestores de Conflito do Brasil, Judiciais e Extrajudiciais?

Voltar ao 1º post da Série.

Gostou? Comente e Compartilha!